sábado, 26 de janeiro de 2008

A minha primeira escola.. Uma grata recordação!!!!

Garota nascida no monte
Veste saia rota , corre até á fonte
Descalça, caminha apressada
Olhos cor de esperança, alma desnudada
Menina nascida ao luar
Cabelos com tranças de trigo e de mar
Menina mulher de prata vestida
Semeando amor, respirando vida
Fato de burel, rasteira a chinela
Transporta na saca , sonhos que são dela
Pés descalços vai cantando
Olhar profundo e sereno
Segue indiferente a quem passa
Num mundo que é tão pequeno
Segue apressada, porém
Há jogos pelo caminho
Joga ao eixo, á cabra cega
Salta á corda em desalinho
Lousa cadernos e lápis
Tudo aprende num segundo
Dentro de uma saca rota
Transporta todo o seu mundo
Mundo pequeno, dirão
Mas que pode valer ouro
Cada palavra ou lição
Faz parte do seu tesouro
´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´´
Esta menina mulher, podem ser tantas meninas..
Mas sou eu, e o meu mundo , num relembrar da
minha primeira escola.. Fica tudo por dizer..
Faltas, desamores, revoltas que me preseguem..Aqui, recordo apenas um pedaço..Um abraço, ell

62 comentários:

lagartadacouve disse...

que bom recordar da escola e ter uma foto para mostrar, eu nao tenho fotos no meu tempo uns anos mais para traz ,nao havia concerteza maquinas de tirar retratos como se dizia na epoca,mas gostei muito .beijinhos Asor-

Bichodeconta disse...

No fundo esta é mais a nossa primeira escola.. Tanta recordação..A mãe Albertina, a senhora Maria Inácia, as brincadeiras, as zangas do Olhinho de Boga nome por que sempre tratávamos a minha pprimeira professora..Terrivel a D.Maria do Carmo Garcia Rosado Bastos.. Nem os caracois que a tia gertrudes me fazia com tanto amor, a professora me deixava usar.. Os colegas sempre pediam para que cantasse as canções do rancho no intervalo. Ré guadas certas quando ela chegava. Não podia ver criança feliz.. Beijinhos, ell

Outonodesconhecido disse...

Este é um bom pedaço.
Força
deixei o jasmim mas estou no outono

gdec disse...

Tem aqui alguns textos bem interessantes; com a simplicidade da sinceridade -rima e é verdade-.
Obrigado pela sua visita ao meu blog e será sempre bem vinda .
Geraldes de Carvalho

Laura disse...

Ó Ell, quanta poesia linda nestas palavras e na tua forma de te espressares, mas que beleza sem par!..Menina está um encanto, uma simplicidade onde dizes tudo o que queres dizer. Estás mesmo a subir na escola da Poesia... Força nina, livro pra cá, já..é imperativo que nada do que escreves se perca...
trouxe um cadinho de esparguete para ti e para a tua farda azul...~Beijinhos sem fim a ti menina querida que nasceste com pouco, mas na tua alma tens muito...

Adriana disse...

É uma das mais belas recordações de nossas vidas a primeira escola.E se não fosse por ela como estariamos hoje aqui??
Suas recordaç~es trouxeram para mim as minhas,e isto me fez muito feliz.obrigada!

margarida já muito desfolhada disse...

há recordações que nos perseguem toda a vida. algumas nem são boas recordações mas fazem parte de nós.
gostei.
um beijo

Mocho-Real disse...

OLá!

Mas que bonita descrição de menina.
Faz lembrar a Menina do Ary, tão bem cantada pela melhor Toniv«cha, essa alentejana de Beja que principiou costureirinha.

Muito bonito! Os meus parabéns.

Um abraço.
Jorge G.

O Profeta disse...

Esreves ou pintas com palavras...


Este vento que sopra nos brandais
Leva de arrasto a minha alma
A proa estende-se adiante na vaga
Olhar de garça o meu coração acalma

Ai quem me dera voar no canal
Ai quem me dera ser a tua espera
Ai quem me dera que o amor
Ai! morasse naquela terra



Bom fim de semana


Doce beijo

rendadebilros disse...

Eu também tenho grandes recordações da Escola Primária...
que foram despertadas pelo teu poema.
Bom fim de semana. Bjs

JoAnInHa disse...

Sim senhora, gostei muito do texto, e de facto acho que a nossa infância é um pedaço muito importante na nossa vida e tmb marcante, e a adolescência tb! Quando puderes passa tmb no meu blog, Beijos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Um encantador registo de memórias num belissímo poema.

Oris disse...

Olá Ell

Vim logo aqui porque fiquei preocupada com o comentário deixado no meu canto. Então, amiga, o que se passa?

Hoje é um dia mau..., mas não desanimes. Vais conseguir sair vitoriosa de todos os problemas que te preocupam...

Estou por aqui, sempre que precisares...

Bom domingo.
Beijitos

(gostei das tuas recordações...)

Pena disse...

Doce e Terna Amiga:
Que coisa mais linda!!!!!!!!
Retractada com encanto esta moça.
Em tempos, vivi na aldeia e, é mesmo assim, como maravilhosamente, descreve a rapariguinha do "monte".
Despreocupada. Transparente. Sincera. Pura.
Fiquei sensibilizado e maravilhado.
É de uma ternura imensa, doce amiga.
Como escreve tão bem. Deliciosamente.
Olhe, não sei que dizer?
Registei com carinho em mim e no que sou com um sentimento enternecedor.
Que linda!!!!!!!!!!!!!!!!!
Beijinhos amigos de pureza sincera.
Com muita estima e encanto

pena

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá ELL, belíssimo poema!
Amiga, muitos beijinhos de carinho.
Fernandinha

Paulo Sempre disse...

A primeira escola é como o 1º amor: nunca "moram" no esquecimento....ao invés, norteiam cada instante do presente...
A minha 1º Escola ainda existe, agora sem portas e sem janelas - esquecida no «deserto» do Sul - mas esquece-la, "Jamé"!!!!
Até sempre
Paulo

Rafeiro Perfumado disse...

Quando passo na minha escola primária, tenho sempre um sentimento de nostalgia. Afinal, deixei muita pele dos joelhos e cotovelos naquele recreio!

Beijoca!

Gata Verde disse...

Quando pensamos nas nossas infâncias fica sempre aquele ambiente nostalgico!

Beijinhos e bom Domingo

Sol da meia noite disse...

Belíssimo post!
Assim é o ser humano... caminha para a frente olhando para o bom que deixou atrás...

Bom Domingo.
Um beijinho

pentelho real disse...

recordações, que bastantes terei também daqui a alguns anos.

Marta disse...

São memórias, momentos inesquecíveis....
Lindo....
Obrigada pela visita....
Beijos e abraços
Marta

elsa nyny disse...

Muito lindo o poema e belissima esta menina mulher...TU!!!!


beijinhossssssss

Vb disse...

Olá ..Mais um espectacular poema!
A minha primeira escola, já fechou! Está abandonada, não há meninos para correrem à sua volta. Tem uma árvore no pátio que eu ajudei a plantar. Quando passo lá vou falar com ela, regá-la com os olhos.
Beijinhos e um bom resto de Domingo.

rato do campo disse...

A minha já não existe, foi demolida...

Maria Clarinda disse...

Bichinho de conta me conta...e...bichinho de conta contou...

Adorei este teu post.
Um jinho amiga!!!!

Espaço do João disse...

Ai que saudades meu Deus , dos tempos que já lá vão. A minha primeira escola foi chão que já deu uvas. Em Dezembro passado passei por lá mas, nem reconheco o local. Já não havia pedra sobre pedra. Nem sequer o caminho para lá existe. Bj. João

mjf disse...

Olá!
Cheguei ao seu cantinho, e fui entrando...
Gostei do que li...muito mesmo
Voltarei ( se mo permitir)
Beijos

A Flôr disse...

Uma menina que se fez mulher....

Recordar é viver, lá diz a canção...

Sabes, eu não me recordo da minha primeira escola!!! Foi em Angola, à 33 anos.... tinha eu 7 anos!

"Sinto-te" nostálgica.... estarei enganada?

Beijinho e resto de um bom domingo

Flor :))

Belisa disse...

Olá

As recordações da primeira escola são bons momentos que temos para recordar. Gostei imenso de ler e está
maravilhosamente escrito! Adorei!
Deixo muitos beijitos estrelados e que as estrelas iluminem sua vida, o seu caminho e a deixem cheia de felicidade

Alexandre Pirata disse...

Olá Garota nascida no Monte,...

Que bonito retalho de uma infância humilde, carregando na saca os sonhos de criança!
Estive há dias com o António Joaquim em Lavre, falei-lhe de ti, mandou-te um grande beijinho.
Contou-me histórias sem fim dessa infância, falou-me da Elvira que eu não conhecia, do saudoso Padre Flausino, que os casou no mesmo dia e trocou os nomes dos noivos, foi uma paródia.
Se todos os padres fossem Flausinos, eu seria garantidamente católico praticante, este foi a verdadeira encarnação de Deus em Lavre, vivia com o povo, partilhava a sua dor e as suas alegrias, de exuberante só tinha o orgulho de fazer bem ao próximo, deixava de comer para dividir o seu pão pelos pobres, que grande homem!
Um beijinho grande.

Carminda Pinho disse...

Parabens Ell!
pelo poema e, por me fazeres regressar às memórias da minha primeira escola.:)

Beijos

sofialisboa disse...

Olá amiga, ganhei esta batalha! ainda estou cansada mas estou bem...obrigada pelas tuas palavras sofialisboa

amigona avó e a neta princesa disse...

Que saudades e como é bom recordar! (a história de ontem teve uma reviravolta!)beijo...

legivel disse...

... andei numa escola parecida com essa na primária. A memória do tempo é uma coisa interessante e tens razão: numa imagem fica tudo por dizer. Só o que resta da nossa memória interior guarda a história dos factos.

abraço.

DE-PROPOSITO disse...

Mundo pequeno, dirão
Mas que pode valer ouro
Cada palavra que aprende
Faz parte do seu tesouro
--------------
A escola?!...
---------
Fica bem.
E a felicidade possível juntinho de ti.

Teresa David disse...

Tem graça que também me fez lembrar a menina do Ary! Mas sabes que embora digam que recordar é viver e estas recordações aqui depositadas serem bonitas, as outras, as das amarguras devem ser destruídas da memória para podermos disfrutar do melhor que o dia a dia nos vai dando. Acho que resulta, pois assim vivo, dia após dia, como os AA e tenho-me dado bem com isso.
Bjs e obrigada pelas tuas simpáticas visitas
TD

Kunta disse...

Olá,

Mais um belo poema e uma foto a fazer recordar a minha escola primária. Recordações de um tempo em que os meninos jogavam ao berlinde e as meninas saltavam à corda. Recordações de tempos felizes e inocentes onde não havia playstations nem desenhos animados bélicos e irritantes. Onde as crianças eram mais puras e sorriam mais, embora contentando-se com muito menos do que os tempos de hoje lhe oferecem.

Tenho saudades desse tempo! Do tempo que o tempo matou.

Beijinho

Laura disse...

Ell, a boleia so seria de psp? hum, entendi ehhh e até podias apanhar uma quando viessem cá em serviço, ficavas aqui comigo e ias quando eles fossem...não daria? hum, que bom que seria...mas quem sabe um dia poderemos encontrar-nos... Beijinho a ti.

JOSÉ NEVES disse...

Uma poesia lindíssima que nos faz recuar no tempo, palavras verdadeiramente nostálgicas.

Gostei muito, parabéns.

Beijinhos.

Jose Gonçalves disse...

Passei para lhe dizer: Olá.
Fiquei preso à recordação e acredite ou não muitas são as vezes que quando vou a Lisboa, dou um pulinho até à minha primeira Escola ali para os lados de Alvalade.
Gratas recordações que lhe agradeço e penso que escolhi bem a altura de passar por aqui.
Um abraço
José Gonçalves

Saramar disse...

Suas recordações todas, tão lindamente reveladas neste belo, belíssimo poema, lembram também as minhas, fazem-me voltar à época em que o mundo, apesar de pequeno, era o universo inteiro e a gente nem sabia.

beijos

Meg disse...

E de repente voltei aos bancos da escola, às primeiras experiências de socialização - no meu tempo não havia jardins infantis - e entrava-se para a escola sem qualquer conhecimento do que isso representava
Muito bem escrito, e um contributo para relembrar uma das fazes mais importantes na nossa vida de crianças.
Um abraço

serena disse...

Gostei imenso de ler parte do seu blog, e adorei este post sobre a saudade da primeira escola, também tenho imensas saudades da minha primeira escola, que foi em angola, de certo que não está de pé , mas sempre viva na memoria.
parabéns porque escreve também muito bem.um abarço

Laura disse...

e a nina que não apareceu em todo o dia; dou logo pela tua falta e venho a correr e nem te enconrro nas respostas..ai ai ai , nada de sentar sem fazer nenhum...bora pra cá escrever pá gente...

Laura disse...

é aqui a casa d euma nina que gosta de lareiras? hum, então aquece-te lá muié... eu adoro também, mas se adoramos ambas..sorte a nossa se um dia pudermos te ruma lareira sems er virtal...beijinhos cheios de quentinho que hoje tá um friiiiioooooo...

Rui Caetano disse...

É reconfortante recordar o tempo de ontem onde aprendemos a viver e a sorrir.

Kalinka disse...

Em breve também falarei sobre a minha escola da infância e juventude.

Convido a ler sobre a minha terra:
...Aproximei-me do stand de Moçambique, não conhecendo ninguém embora estivesse imensa gente, a minha atenção foi dirigida para a parte musical, vi estes
«batuqueiros» dando música ao povo e ali fiquei impregnada dos sons da minha terra.

A música jovem de Moçambique contém vários estilos musicais, dentre os quais Marrabenta, Hip-Hop, Passada, R&B e Dzukuta.
Há uma que me acompanha sempre: Orchestre Marrabenta - Elisa Gomara Saia
Na origem, a marrabenta é tocada em acústica por um cantor masculino acompanhado por um coro de mulheres. Hoje em dia instrumentos modernos foram introduzidos. Ao longo dos anos, a marrabenta tornou-se um símbolo cultural nacional e uma referência forte.

Bom fim de semana de Carnaval.
Beijos c/serpentinas.

Laura disse...

Chove chove galinha a nove, a menina decerto está bem quentinha em casa e sorna a esta hora...aqui chove sim senhora, não a nove mas a dez, e de que maneira...vou sornar, e ver tv e mais logo regresso s eo chefe não precisar do pc. Jinhos a ti...e claro que já tenho post novo...

david santos disse...

Olá, Bichodeconta.
Grande poema. Adorei.
Parabéns.

Laura disse...

Grande Poema grande ideia grande genialidade, mas gosto de ler e continuar, bora lá menina mais coisa nova pra escrever, oq ue te vier à cabeça, eu ando procuro procuro e quando vejo coisas engraçadas guardo e ós pois invento e posto, mas dá-me riso e sabe bem ver tanta coisa diferente. Beijinhos.

Credo, parece que ficaste sugestionada pelas palavras da parisiense, uma rapidinha e em vez de uma deixaste-me cinco, apre...

bettips disse...

A minha Escola era pequena e velha. Mas recordo-a, assim, com lousa e pena. Com miúdas que se descalçavam para não gastar os sapatos...
(não é Alentejo, é zona de Mafra, de visita; e eu tenho saudades de tudo, da terra, aqui ou ali).
Abçs

ecos disse...

Com muita emoção que li este maravilhoso poema.. onde me revi completamente!

Peço desculpa de não ter comentado e nem ter feito visitas... mas foi uma ausência mesmo forçada!

O "Palavras ao vento" já não existe

Criei um novo blog...

http://escosdepalavras.blogspot.com/

Obrigada por não teres esquecido de mim.

Bom inicio de semana.

Beijinhos.

Maria

sofialisboa disse...

Olá bichinho de conta gostei desta tua lambrança, como é bom lembrarmo-nos de coisas boas, de infancia também... tenho musa nova e estou cheia de coisas boas na vida, gostava de as partilhar contigo. bjs meus sofialisboa

Manuela disse...

Consegui ver-te... linda, apressada, as brincadeiras esperam por Ti... foste uma criança feliz...
e deixaste-me feliz ao ler-Te.
Não passo muito aqui mas sempre que passo vou de sorriso no rosto.
Obrigada.

estrelanomar disse...

Passei para dizer
Olá! Como vai?

leonor costa disse...

Fizeste-me voltar à minha infância! Obrigada. Volta aqui, Bicho de Conta e vem visitar-me. Sou um pouco como tu.

Bjs.


HOJE E AMANHÃ

Laura disse...

Estás à espera que reconstruam a escola e te encolham nos anos? nem querias mais nada!...belos tempos para uns e não para outros!...
Beijinhos e como todos dizem nestes dias e nems ei porquê! Feliz Carnaval, até parece que é para desejar felicidade a quem já anda tão magoado...
Beijinhos.

Alexandre disse...

Não sei porquê mas continua a não aparecer a possibilidade de comentar automaticamente com o meu nome e blog. Veremos como sai assim.

Muitos beijinhos!!!

Adriana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FERNANDA & POEMAS disse...

Olá ELL, voltei para reler-te e tive o cuidado de ler as letras pequeninas.
Aqui te deixo um grande abraço de carinho e amizade.
Fernandinha

Anónimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

Bichodeconta disse...

Obrigada Anónimo?